Ansiedade – O Que é e Principais Motivos



  

Saiba aqui o que é Ansiedade e por qual motivo ela ocorre.

Você sabia que o nível de ansiedade da criança média do século XXI é comparável ao nível de ansiedade de um paciente psiquiátrico da década de 50? Isso mesmo, você não leu errado. Muitos estudiosos tratam os transtornos de ansiedade como a principal doença da atualidade – uma epidemia que se alastra de tal forma que caminhamos para uma conjuntura em que o pensamento ansioso se torne a regra; ao invés da exceção.

De maneira simples, podemos dizer que ansiedade consiste em padrões mentais e comportamentais com intuito de evitar ou preparar o indivíduo para situações de perigo. Ou seja, vamos supor que você esteja em uma savana e aviste um leão, antes mesmo de iniciar a corrida seu organismo já se preparará para uma situação de fuga – o que gerará aceleração dos batimentos cardíacos, suor, hiper-vigilância, entre outros sintomas.

Mas, como sabemos, nós não vivemos mais em savanas e a necessidade de correr de leões já foi superada. No entanto, a evolução biológica não acompanha as mudanças da sociedade, de modo que nossa mente e organismo ainda reagem ao medo da mesma forma que nossos ancestrais primitivos reagiam aos leões, mesmo que nossos medos sejam menos “ameaçadores”.

Os humanos do passado que possuíam forte resposta psicológica ao medo estavam menos suscetíveis a se tornarem presas e somavam maiores chances de repassar os genes adiante. Foram os ansiosos que prosperaram na batalha da sobrevivência.

Digamos, na hipótese mais razoável, que a ansiedade é um aprendizado preparado, ou seja, assim como temos uma propensão para desenvolver linguagem, temos uma propensão para desenvolver ansiedade. Mas, da mesma maneira que existe uma coerência que subjaz padrões ansiosos de pensamento, existe uma coerência que faz com que vençamos a ansiedade.





Nossa psique é capaz de superar medos e entender que determinadas situações são seguras. É o caso do medo do escuro, por exemplo. Muitas crianças possuem medo do escuro, mas, assim que o experimentam diversas vezes veem que não há qualquer risco em permanecer com a luz desligada, assim, o medo some.

Os medos mais específicos contam com padrões ansiosos mais simples de serem destrinchados – como é o caso do escuro – , contudo, medos sociais, traumáticos e de contaminação possuem esquemas mais complexos e menos intuitivos. E, ao que os especialistas afirmam, nossa organização social está enfraquecendo os laços humanos e tornando mais difícil a superação desses medos. O que explica a escalada desfreada da ansiedade no século XXI.

Nossa geração vê a ansiedade desfilar na nossa frente e atingir um por um. Até quando esse problema será envolto sobre esse manto de invisibilidade? Até quando a ansiedade será vista com um véu de superstição? Até quando teremos psicólogos que a tratam com negligência? Quantas pessoas ainda terão sua efetividade no mundo reduzida por um transtorno que há possibilidade de reversão? Isso me deixa ansioso…

Matheus Griebeler



Post Comment