Resoluções de Final de Ano – Como Fazer?



  

Saiba aqui como fazer suas resoluções de final de ano.

Conforme os anos vão passando e nossas resoluções de “ano novo” correspondem a fracassos sistemáticos, concluímos que fazer planos e metas da virada não são lá nossa praia, não é?

Mas espere, nem todos os pontos estão perdidos! É possível realizar suas resoluções e manter suas promessas. A psicologia cognitiva comportamental expõe passos simples que aumentarão consideravelmente as chances de você alcançar seus objetivos. Que tal dar uma conferida? Veja esses cinco passos.

1) Anote.

É fundamental anotar quais são suas metas. Mas, não pare somente na anotação do que você quer fazer, anote também quais seriam os benefícios de manter sua promessa. Além disso, anote quais seriam os prejuízos por não manter sua promessa. Você quer fazer esportes? Anote que terá uma vida mais saudável caso faça, terá um corpo mais bonito.

2) Imagine.

Sim, imagine. Elabore imagens mentais de você resistindo às tentações e alcançando seus objetivos. Quer aprender inglês? Imagine-se falando inglês com outra pessoa. Também, imagine o que estaria fazendo caso não estivesse estudando inglês (olhando TV, navegando na NET?). O que é mais produtivo?

3) Troque a fala “Não posso” por “Não quero”.





Isso produzirá um efeito poderoso no seu inconsciente. Caso seu objetivo seja parar de beber, quando alguém lhe oferecer uma cerveja diga “Não quero”, ao invés do “Não posso”. Dizer “Não posso” traz uma concepção de impotência para o subconsciente; já dizer “Não quero” traz uma concepção de decisão, escolha, poder. É você que está no comando.

4) Haverá deslizes.

Esteja preparado para os deslizes. Crie imagens mentais dos desafios que você enfrentará e, caso ocorra algum tropeção, crie situações para retornar ao caminho de suas resoluções. Caso você queira malhar 3x por semana e durante uma semana – por motivos diversos – você folgou, então, utilize esse tropeção para entender quais os motivos que o levaram a não seguir aquilo ao qual você apontou. Entenda as armadilhas mentais que lhe fizeram ter o deslize e se proteja delas. Haverá deslizes, não desista por causa deles.

5) Você não é uma vítima.

Por último, trabalhe o seu psicológico para ser um protagonista de sua vida, não um ator. Tente enxergar as coisas de uma maneira mais distante, mais racional. Lembre-se que você mesmo elaborou suas resoluções. Você pensou nelas. Vou as anotou. Toda vez que quiser desistir de seus planos, lembre dessa frase, “Você quer ser uma vítima ou um protagonista de sua vida?”

Matheus Griebeler



Post Comment